segunda-feira, 21 de julho de 2008

A cigana

Ela me disse que não demorarás. Disse-me que o começo do meu fim será contigo, ao seu lado. Aquela coisa da música da Nara, dane-se os astros, os signos, os búzios, os dogmas, o evangelho e todos os orixás. Não soube me dizer se serás o meu amor e a minha paz. Os astros preferiram não se responsabilizar. Não sou cética, tu sabes. Mas pretendo não confiar na conjuntura de Marte ou qualquer outro planeta que insiste em nós.
O que fizeram é algo cruel, meu caro. Me almadiçoaram. Me prenderam a você, acorrentaram. Em tudo o que faço, lá está você. Em tudo que vejo, em tudo que sinto, que cheiro, que gozo, lá está você. Você, forte e fraco. Com olhos de ninar. Em outros pessoas, está você. Ou eu a procura de feições similares. Em outras cidades, você. Em novos amigos, você.
Me liberta. Me deixa experimentar por inteiro novas sensações. Me permita. Faça algo de feio, de promíscuo, de mesquinho para eu conseguir enxergar menos coisas adoráveis em você. Ou venha comigo. Vem para sempre, sem pestanejar. Vem me acalentar. Minhas lembranças, presente, futuro, olfato, órgãos.
Mas não me ignore. Não seja indiferente, não diga não, não atenda, não deseje. Tu não és assim. Nossa história não merece esse desfecho, medíocre e pobre. Da forma que os astros decidirem, quero lembrar do belo, do sincero, dos carinhos, apelidos, abraços. O indiferente é como um traço, interrompido. Rejeito-o. Quero um ponto, ou uma reticência...Me liberta.

2 comentários:

Panza Guerson disse...

Moça... amei isso!!!!!
Eu quero isso atualizado sempre, tá?
Quero ficar de olho!
E... que dia terei o prazer de reencontra-la?
Beijao e te adoro!!!!

Anônimo disse...

Adorei esta crônica.Adorei esta cigana....Como é bom amar... Como é bom ser amada....Em cada novo amor uma cigana diferente... e o bom é poder escolher as nossas ciganas... e acreditar e desacreditar nelas .... Que venham novas ciganas e junto com elas novos amores...
Bjs. Rê!